InterAct 2009 – Minha apresentação

Gostaria de ter falado um pouco mais. Gostaria de ter dialogado com a platéia. Gostaria que tivesse dado tempo de finalizar apropriadamente a apresentação. Mas não deu. Então aproveitarei este post para explicar um pouco a minha apresentação no InterAct2009.

A motivação para a apresentação

A minha motivação para esta apresentação era a de deixar claro que fazer design centrado no usuário (DCU) e ter preocupação com usabilidade não são coisas que implicam em fazer sites “feios” ou “quadrados”.

A apresentação

De início, quis mostrar referências que apontam a necessidade de se trabalhar de forma equilibrada as duas vertentes que mais conhecemos quando falamos em design: a funcional/racional e a emocional. Normalmente associa-se o trabalho de DCU e o trato com usabilidade com o lado estritamente racional e funcional do design; e isso faria com que esta “vertente” se coloque de maneira diametralmente oposta à da criatividade e emoção. Só que enxergar estas coisas dessa maneira não é bacana e esta visão de que o emocional se opõe ao racional não é verdade.

A “moral” dessa história é a de que o profissional de design deve equilibrar adequadamente os dois conjuntos de fatores.

Design e emoção

Donald Norman, no excelente trabalho que fez (e vem fazendo) sobre Design Emocionalmostra que além de atender quesitos relacionados à funcionalidade, eficiência, utilidade e uso, os dispositivos devem ser pensados para que despertem reações de afetividade, intimidade e afinidade nos usuários.

Em outras palavras, trabalhar usabilidade implica em atender de forma plena quatro conjuntos de quesitos: 1) capacidade de ser usado com sucesso; 2) facilidade de ser usado; 3) capacidade de o usuário aprender a usar o dispositivo de forma simples e rápida; 4) Provocar satisfação ao usuário.

Quem enxerga design como um processo puramente racional ou puramente emocional deixa de lado importantes elementos que não devem ser esquecidos; normalmente falham em função disso.

Os exemplos

Todos os exemplos apresentados referem ao uso racional de tendências visuais sem que sejam desconsiderados aspectos relacionados à facilidade de uso e usabilidade. Há exemplos de sites com animações muito bem contextualizadas sem que seja usado o famigerado Flash. Há exemplos de portais e sites que deixam claro a que vieram e o que pode ali ser feito sem deixar de lado aspectos relacionados à equilibrio e estética. Há exemplos de aplicativos usados pelo browser que são bonitos e eficientes com elegância e há um mau exemplo de uso de tecnologia Flash para “enriquecer” a experiência esquecendo-se de uma série de heurísticas que poderiam ajudar bastante ao verdadeiro enriquecimento da experiência do usuário.

Balanço final

Eu gostaria de ter tido tempo de falar sobre os exemplos escolhidos na hora da apresentação. O ritmo de pastelaria do ambiente não permitiu isso, e nem o diálogo que gostaria de ter tido com os presentes.

Me pareceu que o conteúdo que procurei abordar não era muito bem visto pelos responsáveis pelo ambiente onde me apresentei. Me senti chateado com brincadeiras jocosas feitas antes de me ser dada a palavra e o jeito que minha apresentação foi finalizada – abruptamente – não me agradou. Entendo perfeitamente a questão da limitação do tempo em um evento como estes. Participo deste tipo de evento como palestrante há, pelo menos, dez anos. Já organizei vários e o que ocorreu comigo me pareceu ser a manifestação de alguém que não queria estar alí ou não estava satisfeito com o que estava vendo. Faz parte.

Enfim, de qualquer forma, o balanço do evento foi muito positivo. Não pude estar presente desde o início em função de minhas aulas no doutorado. Cheguei no meio da tarde; mas gostei bastante do que vi. O Tiago e sua equipe do iMasters estão de parabéns. O evento foi muito bacana e iniciativas como esta devem ser sempre valorizadas.

Tô afinzão de ver a apresentação do Horácio sobre acessibilidade. Conversamos no corredor por intermédio do Guilherme Marques mas não pude ver ao vivo a fala dele no evento. Quero muito trocar mais figurinhas sobre o assunto.

Já estou torcendo para a chegada do próximo e ansioso para novos eventos – tanto nacionais (como o de ontem) quanto regionais (BH e Minas carecem muito disso) – onde os profissionais podem trocar idéias e mostrar o que tem sido feito (especialmente em BH; gostaria de ver mais eventos onde os profissionais daqui falam mais… conversei muito sobre isso com o Alexandre e com o Márcio; o povo da Plan B eu não vi lá, mas eles sabem desta minha vontade há tempos e sei que compartilham a coisa).

Mais uma vez, parabéns Tiago e iMasters pelo evento. E obrigado a todos que estavam presentes em minha apresentação.

Agradeço especialmente ao Eduardo Loureiro, ao Herbert Rafael e ao Vorkurs por me apresentarem grande parte dos exemplos (que seriam) comentados.

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *