Respeito é bom e o usuário gosta

Achei em uns antigos backups aqui no escritório um cd com minhas colunas para a revista WWW. Escrevi estas colunas nos anos de 2005 e 2006. Como elas ainda não estavam disponíveis para os leitores do blog, resolvi colocá-las aqui aos poucos. O que replicarei no blog é o texto bruto, enviado para os editores da revista. Os textos podem estar antigos e, ainda, terem erros. Conto com vossa compreensão. Boa leitura!

Coluna enviada para a revista WWW no dia 3 de julho de 2006

Respeito é bom e o usuário gosta

Produzir websites compatíveis é algo cuja importância e a prioridade ultrapassam (por mais difícil que isso possa parecer) os egos das equipes responsáveis.

Nós, produtores e editores, estamos acostumados com este linguajar e com as práticas de produção e verificação de sistemas interativos (ou, pelo menos gostaria de pensar que estamos) e acabamos por achar a abordagem do tema um tanto quanto repetitiva. Mas pensemos – um pouquinho apenas – naquelas pessoas para as quais fazemos os sites. Aqueles que vão usar os sistemas interativos que produzimos nem sempre (ou quase nunca) têm o expediente e a curiosidade de manter instaladas as versões mais recentes dos browsers X, Y e Z para verificar qual vai exibir de maneira mais fiel o produto interativo que eles querem acessar.

Supor que o “usuário médio” (quem é esse?) usa o browser X, é um erro grave. Muito grave.

Para ilustrar, eis um exemplo real. O portal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais é de livre consulta e pode ser acessado por todo e qualquer cidadão conectado à rede. Entretanto, quem mais usa os serviços disponibilizados no endereço www.tjmg.gov.br são advogados e representantes de partes envolvidas em processos judiciais. Obviamente não são – necessariamente – experts em sistemas interativos; são especialistas em causas legais.

Como todos aqueles que não são – como nós – produtores ou estão envolvidos em produção de sistemas interativos, não têm a obrigação de manter-se atualizados e, muito menos, de instalar três ou quatro browsers diferentes em suas estações de trabalho, os usuários deste portal são bombardeados todos os dias com notícias como “o browser da empresa líder mundial de mercado em software tem graves falhas de segurança”.

Assim aconteceu com uma pessoa que me procurou para comentar sobre o sistema judiciário e a ineficiência do referido portal. A pessoa comentou comigo que – por mais de uma semana – esperava a disponibilização de importantes informações sobre o andamento de um processo. Havia perdido há muito a paciência. Cansada de esperar, resolveu entrar em contato com o suporte do portal para queixar-se da demora na publicação destas importantes informações. Procurou-me para que eu a auxiliasse a descrever o erro numa linguagem que o destinatário de sua mensagem de reclamação pudesse entender. Concordei em ajudar e pedi para que me mostrasse o erro.

Tão logo a pessoa iniciou o processo de navegação para visitar o portal, percebi que escolheu o browser Firefox. Observei todo o procedimento efetuado e vi que a busca realizada pela pessoa não retornou resultados. Pedi para que agora realizasse o procedimento usando o Internet Explorer. Eis que fui interrompido com uma expressão de espanto: “mas vocês que ‘entendem’ de internet não dizem que o Firefox é melhor?”. Concordei e respondi: “sim, mas pode ser que o website em questão não funcione bem no Firefox”. Ao usar o browser da Microsoft, a busca retornou os tão desejados resultados por muito esperados.

Demorou um pouco, mas consegui explicar que a culpa não era – nem de longe – do Firefox; e muito menos do Internet Explorer. Imagina se esta pessoa que me procurou não tivesse ninguém para auxiliá-la neste momento? O que aconteceria?

Se é pra atribuir responsabilidade, façamos o correto e indiquemos os responsáveis pelo portal, que deixaram passar batidas questões de compatibilidade de seu portal com o browser que mais cresce em participação no mercado.

A moral da história é fácil de encontrar. Respeito é bom e o usuário gosta. Produzir sistemas interativos compatíveis é dever de toda equipe de produção e peça chave para que o usuário seja sempre respeitado.

You may also like...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *